Marcos Abilio Nahpulo

Marcos Abilio Nahpulo

“Arqueologia della Memoria ”

Ambedue

insiene nella stessa memoria.

José Craveirinha[1]

Quando Bhrama chiama- Craveirinha!

La memoria salta e spia da lontano

un oasi intorno a cui

si aprono le rotte di coloro

che portavano la vita in versetti!

E nella mattina mozambicana

i petti sono appesi

oggi a la destra,

domani a la sinistra…

E il viaggio della vita

sollevò l’ultimo volo del paradiso

come un’anima che sorvola

nella bandiera che vola

come un’aquilone sopra le piazze.

E dopo tre giri nell’aria

spiando in una coppa di miele,

diventa ubriaco di passato

che si libera come una voce

piena di amore e dolore!

Ecco la voce del prodigio

che straccia il manto

e brilla come una lucciola

nel buio di una notte poetica

segnata dal rullo

di un tamburo!

É la voce che parla di radici e di stelle,

di Genesi, Rivelazione e Profezia…

tra l’indiferenza e la differenza

buttate negli stomaci

vuoti e pieni de favole:

«Voglio essere tamburo »

– dice un fantino dell’ arte sublime

che gira nella terra dei dieci cuori

inseguendo l’eroismo

che gli spetta tra tamburi e mandarini

di una confraternita di identità.

Il silenzio della notte apre le piazze

che assorbono l’anima mia che scende

come rugiada nelle corolle dei versi

dove vibrano echi perpetui

di una presenza sacra

nella mosca-cieca della vita,

e un’altra notte mi trova

a galleggiare sull’oceano del caos

che porta la mia memoria

sopra le piazze aperte

fin dentro l’anima viva di un profeta…

Testo in lingua originale/original language:

“Arqueologia da Memória”

Ambos

juntos na mesma memória.

José Craveirinha

Quando Brama chama -Craveirinha!

A memória salta e ao longe

espia um oásis em que

se abrem rotas novas

que traziam a vida em versículos!

E numa manhã moçambicana

os peitos penduraram-se

hoje na direita,

amanhã na esquerda…

E a viagem da vida

levantou o último do paraíso

como uma alma que sobrevoa

na bandeira que voa

como um papagaio sobre as praças.

E três voltas depois no ar

espiando numa taça de mel,

se torna bêbado do passado

que se liberta como uma voz

cheia de amor e de dor!

Eis a voz do prodígio

que rasga o manto

e brilha como um pirilampo

no escuro duma noite poética

assinalada pelo estrondo

de um xigubo!

É a voz que fala de raízes e de estrelas,

de Gênesis, Revelação e Profecia…

entre a indiferença e a diferença

calcada nos estômagos

vazios e repletos de fábulas:

“Quero ser tambor”

– diz um cavaleiro de arte sublime

que gira na terra dos dez corações

perseguindo o heroísmo

que lhe espera entre tambores e tangerinas

duma confraternização de identidade.

O silêncio da noite abre as praças

que absorvem a minha alma que desce

como orvalho nas corolas de versos

em que vibram ecos perpéctuos

duma presença sagrada

na cabra-cega da vida,

e uma outra noite me encontra

navegando no oceano do caos

que transporta a minha memória

sobre as praças abertas

até dentro da alma viva de um profeta…

[1] Poeta e Eroe Mozambicano.

Share

Recommended Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.